Mas que belo par de… campanhas

Estando a acabar o mês de outubro – mês dedicado à luta contra o cancro da mama –, e sendo hoje o Dia Nacional de Prevenção do Cancro da Mama, não poderia deixar de vos mostrar algumas campanhas que foram desenvolvidas neste âmbito.

Este ano, a marca de cereais Nestle’s Fitness tentou abordar a questão de uma outra perspetiva, numa tentativa de relembrar as mulheres que devem fazer o seu auto-exame com regularidade. Uma mulher andou pelas ruas de Londres com uma câmara «escondida» no decote… tinha um top com um decote bem revelador convenhamos (mais sobre a campanha aqui). O vídeo abaixo é o resultado deste «teste» onde as mulheres podem ver que todos os dias os seus seios estão sob «análise» de outras pessoas por isso, porque não o fazem também elas próprias?! A campanha estendeu-se para os social media com a hashtag #CheckYourSelfie, através da qual as mulheres poderiam encorajar as suas amigas a fazerem o mesmo.


Já em Portugal, a marca também não deixou as mulheres esquecerem-se, começando logo pela manhã, ao pequeno-almoço. Se forem consumidoras dos cereais Fitness, com certeza repararam que as últimas embalagens traziam um convite para nos juntarmos à marca na divulgação da luta contra o cancro da mama. Fazia referência a uma app (aceder aqui) através da qual podíamos dedicar um laço a um país em particular; no caso de Portugal, esse laço será «convertido» numa doação de 1€ à Associação Laço. Paralelamente, foi organizado um grande evento de Zumba – Zumba Fitness Party –, em que parte da receita da bilheteira revertia a favor da instituição Laço; o evento teve lugar no passado dia 25 de outubro, no MEO Arena (Lisboa).

cancro mama 6

Depois gostava de vos falar de uma campanha, promovida pela Breast Cancer Awareness Campaign, que está apostada em oferecer esperança às pessoas que de alguma forma «estão unidas» pelo cancro da mama. A campanha We’re Stronger Together propõe que as pessoas escutem histórias e partilhem as suas, incentivando a troca de experiências (mais informações aqui). Fica aqui o vídeo com a história de Meifang Yang, hoje com 91 anos, diagnosticada com cancro da mama – estádio III aos 43 anos. Podem consultar outras histórias aqui.


No Brasil, uma concessionária da Volkswagen também resolveu associar-se ao movimento rosa com uma campanha que leva as mulheres a apalparem de facto (mais informações da campanha aqui). 
Foi distribuído junto com um jornal impresso uma espécie de flyer interativo que associa o toque com os dedos do auto-exame às mamas com a leitura em Braille. Como podem ver pela imagem abaixo, o flyer tem a palavra “autoexame” gravada em Braille, com letras em alto revelo, junto à mensagem “A maneira mais simples de prevenir o cancro da mama” (logo abaixo está o alfabeto para ajudar na leitura).

cancro mama

Outra ideia que gostaria de partilhar convosco, por abordar a questão de uma forma mais «honesta», é o Scar Project do fotógrafo David Jay. Como o próprio nome indica, é um projeto que compõe uma série de retratos de grande escala que mostram as cicatrizes (físicas e emocionais) de mulheres que sobreviveram ao cancro da mama. Para além de chamar a atenção para a causa e angariar fundos, o fotógrafo tem como missão ajudar as sobreviventes a verem as suas cicatrizes e experiências através de uma «lente» mais honesta (saber mais aqui).

             cancro mama 2   cancro mama 3

Pois é, minhas senhoras… Temos mesmo de olhar por elas. Isto tudo porque, “elas atraem”! Se ainda dúvidas houvessem, uma campanha publicitária com dois enormes seios que andou a circular nas ruas de Moscovo deu origem a mais de 500 acidentes num só dia! A agência de publicidade especializada em anúncios mobile AdvTruck decidiu colocar trinta camiões a circular na capital russa com uma imagem com dois enormes seios na parte lateral, para promover um novo formato de publicidade (saber mais aqui). A ideia ficou-se por um dia depois da polícia ter feito uma «emboscada» aos veículos por causa dos riscos associados, uma vez que os homens ficavam tão distraídos que começaram a bater uns nos outros (outras informações aqui). Nós sabemos que uma campanha publicitária é sempre pensada para atrair a nossa atenção, mas não era a este ponto!

cancro mama 5

E vocês? Deixam-se atrair por este par?

BÓNUS: Vi um vídeo emocionante que mostra até onde as pessoas que amamos podem ir numa situação em que alguém é diagnosticado com cancro da mama, que podem também ver aqui.

Anúncios

Sabia que há empresas que estão de olho nas suas fotografias?

Há uns dias, o The Wall Street Journal publicou um texto onde referia que algumas empresas estão a usar software para fazer o «reconhecimento» (i.e. scan) de fotografias – a fotografia de alguém a segurar numa lata de Coca-Cola, por exemplo – para identificar logótipos, se a pessoa na imagem está a sorrir até, e o contexto da cena. Estamos todos cientes de que as fotos que partilhamos através de sites como Instagram, Flickr e Pinterest são visíveis para qualquer pessoa quando partilhadas publicamente. O que não estávamos à espera é que as empresas de marketing digital também estivessem de olho nelas, neste caso com um propósito comercial, como podem ver pela infografia abaixo. É que essa informação permite aos profissionais de marketing, por exemplo, desenvolver anúncios direcionados a um público específico ou realizar pesquisas de mercado.

MK-CP928_PUBLIC_G_20141009135119

Que as empresas andam a «explorar» os textos dos nossos tweets e mensagens nas redes sociais para encontrar palavras-chave que indiquem tendências ou sentimentos em relação às marcas, isso nós já sabíamos. O que nos alerta este texto do The Wall Street Journal é que esta nova técnica de prospeção de imagem é potencialmente mais invasiva porque as fotografias inspiram mais emoções nas pessoas e são consideravelmente mais suscetíveis a múltiplas interpretações do que os textos (ler mais aqui). E embora estes sites de partilha de imagens digam que os seus utilizadores estão bem informados acerca das suas políticas de privacidade, os entendidos na matéria já perceberam que estes não estão a comunicar claramente aos utilizadores que as suas imagens podem ser «apanhadas» e utilizadas para fins de marketing. Sejamos francos, quando partilhamos uma fotografia não o fazemos com a intenção de promover o par de calças que estamos a usar nessa fotografia (pelo menos, a grande maioria de nós)!

E vocês? Já foram «apanhados» em alguma fotografia?

É música para os ouvidos dos homens

Que me desculpem os homens que vão ler este texto mas, eu cresci a ouvir dizer que os homens gostam de três coisas: mulheres, futebol e carros. Correndo o risco de estar a cair num daqueles clichés sociais, vou-vos falar hoje de três ideias que mostram precisamente isso mas com um toque adicional… a música! As ações de comunicação que vão ver abaixo souberam tirar partido daquelas três coisinhas que referenciei no início para «dar música» aos homens.

Conhecendo a «opinião» dos homens acerca da música clássica, e para atrair novos públicos ao festival de música clássica B-Classic (Bélgica), a organização resolveu recorrer à «musicalidade» feminina. Caríssimos homens, desafio-vos a ouvir (a ouvir, repito!) o vídeo abaixo. Afirma-se como um novo formato de vídeo de música que combina a emoção atemporal da música clássica com o talento visual de um diretor contemporâneo (outras informações da campanha aqui).


E o que fez a operadora de telecomunicações TIM para mostrar que o deporto mais popular no Brasil é torcer? Ora «deu-lhe» som, pois está claro! No passado dia 22, com o apoio da agência Wieden+Kennedy, a operadora deu o «pontapé de saída» à ação Twittorcida convidando os aficionados do futebol a enviar sugestões de frases/gritos de apoio às suas equipas pelo Twitter através da hashtag #Twittorcida. A iniciativa aconteceu em tempo real e tinha como objetivo transformar esses tweets em músicas/cânticos (mais informações da campanha aqui). Deixo-vos abaixo um vídeo de um cântico criado a partir de uma quadra de um adepto do Flamengo, mas podem verificar outros vídeos que foram produzidos aqui.


E se forem bons de contas, dirão que ainda falta abordar a questão dos carros! Poderia falar aqui da peça musical que o compositor australiano Timothy Fairless construiu a partir da percussão e melodia de veículos da BMW (ouvir aqui). Mas penso que a «música» que mais agrada aos ouvidos dos homens é a do som dos pneus no asfalto. Por isso, optei por vos deixar aqui uma outra ação da BMW para promover a força do motor turbocomprimido e a tecnologia do sistema de travões do seu novo modelo M235i. São 90 segundos de um grande espetáculo coreográfico, entre alta velocidade e deslizamentos (making off da ação aqui).


E vocês (homens)? Vão nesta cantiga?

O que podemos esperar do Facebook no futuro do marketing digital?

Já no final do ano passado, empresas e agências começavam a pensar na sua estratégia para a rede social Facebook, sem saber o que esperar desta rede no futuro do marketing digital. Neste sentido, o Scup Ideas (uma referência em conteúdo sobre redes sociais) procurou ouvir a opinião de 209 profissionais no Brasil, resultando numa infografia que foi divulgada em dezembro do ano passado (mais informações aqui). Nesta infografia vão poder ficar com uma ideia das perspetivas do mercado a respeito do papel do Facebook nas estratégias de negócio de empresas e agências.

Info+Facebook

E vocês? Acham que o Facebook tem futuro e vai «sobreviver» mais um ano?

As marcas andam a pregar partidas

Quem é que não gosta de pregar uma boa partida?! Os que são apanhados é que já não podem dizer o mesmo! De facto, já muitos foram os programas de apanhados feitos na televisão (com e sem figuras públicas). Mas o que me traz aqui são as marcas e as suas campanhas de comunicação. Vou falar-vos primeiro da partida que a marca de vestuário e equipamento para desportos radicais North Face pregou aos seus cliente, fazendo-os mesmo (literalmente!) subir pelas paredes. Tudo aconteceu numa loja da marca na Coreia, enquanto as pessoas estavam distraídas a ver a nova coleção de inverno, de repente o chão começa a desaparecer forçando os clientes a agarrarem-se às paredes, que (por coincidência!) tinham aqueles suportes de escalada (mais sobre a ação aqui). Claro que todos tiveram direito a uma recompensa pela aventura forçada. Ora vejam:

Depois temos a partida da Volkswagen num parque de diversões na Noruega. E o que é que nós mais gostamos nos parques de diversão? Se pensaste nos carrinhos de choque, estás correto! Para mostrar o seu mais recente sistema de travagem de emergência (citadino), a marca instalou a sua tecnologia City Emergency Brake num dos carrinhos de choque. Resultado? Sempre que o carrinho se aproximava de outro, ele parava automaticamente (mais informações da campanha aqui). Os condutores a quem calhou esse carrinho é que não acharam lá muita piada, como podem ver no vídeo:

Ainda há uns tempos a Volvo também resolveu pregar uma partida a um parking valet (arrumador de carros!) de um casino no seu primeiro dia de trabalho, imaginem! Só para mostrar como é fácil conduzir um camião da Volvo com a sua nova caixa de velocidades de dupla embraiagem (penso que é isto!). Através de uma câmara escondida, vemos o novo parking valet a estacionar carros desportivos, até que… Bem, é melhor verem por vocês mesmos no vídeo abaixo o que lhe apareceu pela frente (mais sobre a campanha aqui).

E quando a companhia aérea Virgin Atlantic «se ocupou» de um banco de um parque em Nova Iorque para mostrar às pessoas como é viajar na sua companhia. Pelo vídeo da ação, parece-me que as pessoas apanhadas gostaram bem da experiência. Não vos parece também?

E para acabar, uma partidinha que nos chega de Estocolmo no âmbito do evento “Adobe Creative Days“. A Adobe colocou mãos à obra nos mupies de uma paragem de autocarro para mostrar a magia do mais famoso editor de fotografias… o Photoshop, pois está claro! Tudo era feito em tempo real, «usando» mesmo as pessoas que estavam na paragem à espera do autocarro.

E vocês? Já foram apanhados por alguma campanha?

P.S.: O blogue PR Examples escreveu um artigo onde mostra mais alguns bons exemplos de partidas do ano de 2003, que podem ver aqui (para se divertirem mais um bocadinho no fim de semana!).

Na rede somos mais fortes

Na semana passada fomos surpreendidos com a notícia de que a Lego não vai renovar o seu contrato com a empresa petrolífera Shell (mais informações aqui). Ao que tudo indica, esta decisão surge depois de a organização ambiental Greenpeace ter lançado no início de julho deste ano um vídeo na Internet que chama a atenção para o cenário angustiante da exploração de petróleo na região do Ártico. Com o título “LEGO: Everything is NOT awesome.”, o vídeo mostra o cenário de um possível derramamento de petróleo na região do Ártico, inteiramente com peças Lego (mais sobre a campanha aqui).

Este vídeo chamou a atenção de pessoas de todo o mundo que se uniram à causa partilhando o vídeo pela Internet. Com mais de 6 milhões de visualizações, está mesmo a ser apontado pelos meios de comunicação internacional como a causa do fim da parceria entre a Lego e a Shell (outras informações aqui).

Ainda não há muito tempo tinha lido que a bem conhecida cadeia de lojas de roupa Zara retirou das lojas um pijama também depois de protestos em redes sociais. O pijama em causa era parecido com o uniforme que os judeus usavam nos campos de concentração, um pijama de criança às riscas azuis e brancas com uma estrela amarela do lado esquerdo, o que gerou enorme contestação por parte das pessoas. A marca foi mesmo acusa de falta de sensibilidade, e foi do Twitter que chegaram as primeiras queixas (mais informações aqui). O modelo estava disponível no website da marca e em algumas lojas de países europeus, incluindo Israel, França, Dinamarca, Albânia e Suécia. A Zara optou por suspender a venda do pijama e pediu logo desculpas, também pelo Twitter (ver aqui), afirmando que o design do pijama teve inspiração dos western americanos.

protesto 3

E porque não falar de quando (janeiro de 2012) a Fnac teve de «abandonar» uma campanha publicitária depois de muita contestação na rede social Facebook. Foi a frase que podem ver na imagem abaixo que causou tanta indignação na rede. “Troque os Maias pela Meyer”, uma das frases escolhidas para a campanha de troca de livros “Cultura Renova-se” (mais sobre a campanha aqui), deixou alguns portugueses indignados pela comparação feita. A mensagem não demorou a propagar-se pelo Facebook, sendo partilhada por muitos utilizadores portugueses, levando a Fnac a optar mesmo por retirar a campanha depois de ver os comentários deixados pelos utilizadores no Facebook (ler comunicado aqui).

protesto 1

E vocês? Já se manifestaram na rede contra alguma coisa?

Como é que as campanhas se propagam como um vírus?

Não é fácil de prever que estratégias de marketing irão produzir conteúdo viral, isto é, conteúdo com potencial de propagação, ou melhor, conteúdo que é quase (irresistivelmente) impossível deixar de partilhar. No entanto, a Best Marketing Degrees apercebeu-se de alguns elementos comuns em algumas das campanhas que foram bem-sucedidas (mais informações aqui). Sabendo que, muitas vezes, é um golpe de sorte e timing, aqui ficam algumas das melhores práticas (e ideias a evitar) identificadas:

going_viral_infografia_ligateamedia

E vocês? Já contribuíram para a propagação de algum destes «vírus»?