Não deixe escapar o seu Instamoment

O Instagram chegou para ficar. Fundada em 6 de outubro de 2010, esta rede social online de compartilhamento de fotos e vídeos apresenta como característica distintiva o formato quadrado, semelhante ao Kodak Instamatic e das câmaras Polaroid. A verdade é que, o Instagram (tal como tem acontecido com outras redes sociais) trouxe consigo novas formas de sociabilidade, convertendo-se numa nova forma de comunicação e interação. Num estudo recentemente lançado nos EUA, ficou patente a influência desta nova rede social na auto-estima dos adolescentes, onde a competição por “likes” levou a preocupação com a imagem a um outro nível (saber mais aqui).

Tal foi o crescimento de popularidade do Instagram que as pessoas já se encontram para tirarem fotos e vídeos juntas. Está criada uma verdadeira comunidade, patente na frequência de InstaMeets que têm sido organizados por todo o mundo. Não pensem que Portugal está «fora dos instaflashes»! Há cinco portugueses entre as dez contas de Instagram mais criativas, segundo a escolha dos criadores da aplicação Huntgram (saber mais aqui).

insta 3

E não se acanhem. No Instagram vale mesmo tudo… criativamente falando, claro! Basta vermos uma página recentemente criada que (basicamente) é um registo de diversos interiores de casa de banho públicas em Nova Iorque. Em ‘ForCustomersOnly‘ podem encontrar desde paredes com grafitadas, a espaços luxuosamente decorados (saber mais aqui). Só por curiosidade, espreitem também a ‘Casa Aberta‘; são pessoas que abrem as portas de suas casas para partilharem ideias de decoração, que podemos aplicar nas nossas casas, a baixo custo.

insta 1  insta 2

Pois é! Há muito que o Instagram deixou de ser apenas «uma brincadeira de miúdos». Esta app tem tido bastante recetividade no mundo dos negócios, já sendo utilizada como meio de promoção por diversos ramos de atividade. Se olharem para o Instagram de forma estratégica, vão perceber a importância de ter uma conta no Instagram. Olhem que, razões não faltam… (saber mais aqui).

insta 4  screenshot_instagram

E vocês? Temos Instagramers desse lado? Olhem, eu já me rendi (@joanasilvapais).

Não vos prometo 15 minutos de fama, mas 15 segundos já é possível no Instagram. É que o Instagram permite a partilha de vídeos de 15 segundos. E como «ser incrível» em apenas 15 segundos? É só clicarem aqui!

Beleza a quanto obrigas

O conceito de beleza tem mudado ao longo dos anos. Se os primeiros filósofos gregos viram uma forte conexão entre matemática e beleza, hoje a beleza é subjetiva e relativa. Talvez seja por isso que, a nova campanha da marca norte-americana de tamanhos grandes Lane Bryant não escapou à Comunicação Social. Ora espreitem o vídeo abaixo:


slogan “I’m no angel” escolhido para promover o seu novo modelo de soutien (ver aqui) é uma clara referência às manequins e ao conceito de beleza «promovido» pela Victoria’s Secret (saber mais aqui). Ainda associado a esta campanha, a Lane Bryant tem encorajado as mulheres a partilharem nas redes sociais as suas imagens que consideram mais sensuais, juntando-lhes a hastag #ImNoAngel.

Ao mesmo tempo, a Dove acabou de lançar um vídeo de uma experiência que fez em cinco cidades diferentes (São Francisco, Xangai, Deli, Londres e São Paulo) para provar que a beleza é uma escolha. A ideia passou por fazer as mulheres escolherem entre duas portas, uma com uma placa a dizer “beautiful” e outra “average”, e depois abordavam as mulheres para saberem porque tinham escolhido entrar por aquela porta (saber mais aqui).


Este tipo de campanhas já se tornaram a imagem de marca da Dove, que tem trabalhado ao longo dos anos para «maximizar» as mulheres. Em França, a marca também andou a dar cartas. Desta feita, dedicou-se a fazer uma recolha de comentários negativos que algumas mulheres fazem a elas próprias, e depois contratou atrizes para simularem um encontro de amigas num café e dizerem esses mesmos comentários umas às outras (saber mais aqui). Curiosos para saberem as reações das pessoas que estavam por perto? É verem o vídeo abaixo!


É mesmo caso para pensar “if it’s not acceptable to say to someone else, why say it to ourselves?”

E vocês? Também se deixam escravizar pela beleza?