Pequenos gestos de comunicação e responsabilidade social

Depois de largos meses de silêncio (por preguiça apenas), eis-me aqui de novo movida pelos últimos acontecimentos da vaga de migrantes e refugiados que tanto têm gerado buzz nos meios de comunicação, particularmente nas redes sociais. À parte destes tristes exemplos de desumanidade, prefiro continuar a pensar (com a minha ingenuidade) que há esperança, com a consciência de que não posso mudar o mundo mas que posso fazer a diferença, começando com quem me está mais próximo.

Vejo constantemente campanhas que me fazem continuar a acreditar nisso mesmo e que mostram pequenos gestos de humanidade. É disso exemplo a aplicação Watch to Donate. Basicamente só temos de adicionar essa funcionalidade e ver os vídeos publicitários no Youtube até ao fim, o que se converte em dinheiro para ajudar o Nepal que sofreu uma série de terramotos há poucos meses (saber mais aqui); dinheiro esse doado pelas empresas anunciantes. Se pensarmos na quantidade de vezes que saltamos os vídeos publicitários…

Falo também de um festival de música que aceita a doação de sangue como pagamento pelos bilhetes. O Untold Festival (Roménia) convidou o público a literalmente dar sangue pela música, pagando os bilhetes do festival através de doações de sangue para o Banco de Sangue da cidade da Transilvânia (saber mais aqui).

paywithblood(2)

Posso ainda referir o “Imprima Para Ajudar”, um projeto apostado em multiplicar a divulgação de cartazes de pessoas desaparecidas, uma parceria entre a HP e a organização Mães da Sé (Brasil). Bastava para isso que as pessoas registassem a sua impressora HP no site e, assim, sempre que alguém desaparece, a organização Mães da Sé envia cartazes para a rede e eles são impressos automaticamente pelas impressoras registadas na região onde a pessoa desapareceu.

E mesmo a tempo de fechar este texto, chegou até mim um artigo que fala do projeto da empresa britânica Café Art, que distribuiu 100 máquinas fotográficas descartáveis Fujifilm por pessoas sem-abrigo em Londres em Julho e pediu-lhes que tirassem fotografias com o tema “My London” (ver o resultado aqui). A ideia é escolher as 13 melhores fotografias para se convertem num calendário 2016 para apoiar o projeto.

Sim, eu sei que estas campanhas não vão resolver os estragos dos terramotos, não vão fazer com que pessoas deixem de desaparecer ou tirar todas as pessoas das ruas, mas já é melhor do que não fazer nada. Digo eu na minha ingenuidade. E temos aqui alguns exemplos de como a comunicação e a publicidade podem ser usadas para boas causas e impulsionar a responsabilidade social das empresas e da sociedade.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s